quinta-feira, dezembro 10, 2015

Uma aurora



“One Girl. One City. One Night. One Take.”, o subtítulo de “Victoria”, o mais recente filme do alemão Sebastian Schipper, serve de mote para lhe fazer uma abordagem superficial.
Uma rapariga, Victoria, madrilena, jovial, entre a ingenuidade e a audácia, capaz de dizer coisas tão tontas como intensas: “You touched my ass!... Say sorry with the heart!”. Uma cidade: Berlim, multicultural, noctívaga, capital mundial do techno. Uma noite, como qualquer outra, entre os últimos vestígios da obscuridade e os primeiros momentos da alvorada. Um (único) plano-sequência, onde os telespectadores, como quaisquer outros portagonistas deste filme, ficam, desde o seu primeiro segundo, refém do desenlace da narrativa, não deixando opções de fuga ou formas de ruptura com a realidade – um dos inúmeros atributos deste filme. Mas falta acrescentar: uma acção.
Uma acção, irreflectida e inofensiva, que desencadeiam muitas outras. Mais que uma pequena acção/decisão originar grandes consequências, “Victoria” também pretende demonstrar que uma paixão ou a solidão pode-nos levar a cometer actos inconsequentes.
A camara segue Victoria ao longo de mais de duas horas que dura esta assombrosa obra, até ao momento em que a paixão é substituída pelo desalento e a solidão volta a invadir a sua alma, enquanto caminha, nas primeiras horas da manhã, por uma qualquer rua de Berlim.
A “cereja” no topo deste magnífico e surpreendente “bolo” é a banda sonora minimalista e intimista - contrastando com a batida techno e a violência das imagens - que ficou a cargo de Nils Frahm.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home