terça-feira, setembro 08, 2015

De mente bem aberta



Entre os devaneios e os sonhos de uma cega, desenvolve-se o drama de uma mulher naquelas condições. Ela nunca sai do seu apartamento - apesar dos incentivos de um marido ausente e “workaholic” para que faça o contrário - mas os seus pensamentos e as suas histórias são sobretudo inspirados pelo que vem do exterior. Não será por acaso que ela passa grande parte do seu dia sentada junto a uma janela... No entanto, todas as realidades paralelas que ela vai criando no refúgio de sua casa reflectem, acima de tudo, os seus próprios sentimentos: a solidão, a insegurança, a reduzida auto-estima, o desejo, ou a falta dele.
Chega-se a um ponto em que se cria mais empatia e carinho com as personagens que a rodeiam (ficcionadas ou reais) do que com a propria protagonista. Sobretudo quando percebemos que estamos só perante mais um caso de um casamento que caiu na rotina e entrou em ruptura. Uns dos sinais mais evidentes desse facto é quando a exploração da intimidade do outro já não se faz por qualquer indício de desejo, mas por suspeitas de infidelidade - como aquela cena em que ela, aproveitando o marido no banho, decide abrir o seu saco de desporto para cheirar a sua roupa.
Este “Blind”, do norueguês Eskil Vogt, é mais uma prova de que o cinema escandinavo está (muito) bem e recomenda-se.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home